quarta-feira, 9 de maio de 2007

 

Ceifeiros


[…] Em linha, à borda do trigo, distanciados seis metros uns dos outros, começaram a terrível faina da ceifa…As primeiras horas até ao almoço são suaves, porque os 38 graus do Sol pouco fazem nessas índoles de salamandra, afeitas a torrar… A Oriente o Sol vem caminhando, saindo da fumarada do horizonte, passando da cor de sangue a bronze liquido; e os seus raios, à medida que se aprumam, trazem na escandéncia náuseas de veneno e a angústia horrorosa do metal derretido sobre a carne; rareia o ar, a aragem matinal cessa de todo, os cães arquejam, de língua caída, as cavalgaduras cessam de rilhar; e calando-se os pássaros, e os voos mais lentos, os ares mais turvos, a sombra mais efémera – é a hora do tormento diabólico da sede […]

(Fialho de Almeida)

Comentários:
LINDO!!!!
Beijos, Lia.
 
Um luxo o trabalho e o escrito é emocionante!
De qual livro?

bjs
 
Adorei... tem uns tons fantásticos!
E a tua nota, super!
Beijinhos***
 
Parabéns pelo bom gosto.
Beijinho
sara
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]